slide-noticias-e-eventos

“O joelho dói? ojoelhodoi.pt.”

Liga Portuguesa Contra as Doenças Reumáticas e SANOFI lançam projeto de sensibilização para diagnóstico precoce

ojoelhodoi logo

O seu joelho ressente-se com a mudança de tempo? Fazer uma caminhada exige muito esforço? Sente dor quando sobe uns simples degraus? Provavelmente, está com um problema na articulação e precisa de aconselhamento médico.

Para incentivar e sensibilizar a população portuguesa para a importância do diagnóstico precoce, a Liga Portuguesa Contra as Doenças Reumáticas (LPCDR), em parceria com a SANOFI, desenvolveu uma plataforma única, simples e diferenciadora que pretende responder à generalidade das questões: www.ojoelhodoi.pt. Nesta plataforma digital, será possível analisar informação genérica sobre a dor no joelho, ajudar na identificação dos fatores de risco e/ou preparar a visita ao médico.

Para Elsa Frazão Mateus, Presidente da LPCDR, “nem sempre valorizamos a dor, a ponto de procurar ajuda médica para diagnóstico e tratamento adequados. Enquanto não o fazemos, um pequeno desconforto pode rapidamente passar a um problema mais grave, muitas vezes, incapacitante. Não podemos menosprezar a dor que sentimos.”

A responsável acrescenta ainda que “o atraso no diagnóstico das doenças reumáticas continua a ter um enorme impacto a nível social e económico. Por isso, numa altura em que as entidades europeias ligadas ao doente reforçam a importância do diagnóstico precoce, faz todo o sentido a aposta em projetos dinâmicos como o ojoelhodoi.pt.”

Na plataforma ojoelhodoi.pt é possível encontrar informação genérica sobre a dor no joelho (tipos de dor, sintomas comuns, doenças mais prevalentes e especialidades médicas associadas), bem como a rubrica “Pergunte ao Médico”, desenvolvida em parceria com profissionais médicos de referência, através da qual os utilizadores podem colocar dúvidas relacionadas com a dor no joelho. A plataforma dispõe, ainda, de uma área editorial – “Viver com Dor no Joelho” – onde são partilhados conteúdos relevantes sobre a temática, como estudos, artigos, dicas, receitas, exercícios, que promovam a prevenção e facilitem o dia-a-dia de quem vive com dor no joelho.

De acordo com o EpiReuma.pt, metade da população portuguesa sofre de doenças reumáticas e 3 em cada 10 pessoas não sabe que tem esta doença. O número continua a aumentar e, neste momento, as doenças reumáticas são já a principal causa de absentismo laboral e incapacidade precoce, das quais resulta grande número de reformas antecipadas por invalidez (Doenças Reumáticas: Produtividade, Empregabilidade e Saúde Social). O impacto económico é significativo: a não referenciação e a não prevenção custam ao Estado mais de 900 milhões de euros por ano (EpiReuma.pt).

Veja aqui o vídeo

"Mais Participação, Melhor Saúde"

Petição para a instituição da “Carta para a Participação Pública em Saúde”

LogoMaisParticipacao
A participação dos/as cidadãos/ãs, pessoas com ou sem doença, e das organizações que os/as representam é, tal como o direito à proteção da saúde, um direito fundamental, consagrado na Constituição da República Portuguesa.

Para além do direito à participação, o contributo dos/as cidadãos/ãs, enquanto pessoas que vivem com doença, utentes dos serviços de saúde ou consumidores de cuidados de saúde, e das organizações que os/as representam é extremamente relevante e, por isso, indispensável. A experiência adquirida sobre a doença, os cuidados de saúde e as instituições de saúde, dão-lhes um conhecimento único, com o qual podem contribuir para a tomada de decisão em saúde.

A participação dos cidadãos/ãs e das organizações representativas permite ainda adequar os cuidados de saúde às suas prioridades e necessidades, aumentando a qualidade da tomada de decisão, contribuindo para melhores resultados em saúde e reforçando também a legitimidade e a transparência dos processos de decisão.

Recentemente, o projeto “MAIS PARTICIPAÇÃO, melhor saúde” promoveu um inquérito sobre participação em saúde, com mais de 600 cidadãos/ãs e 68 organizações de pessoas com doença, utentes de saúde e consumidores. Foi unânime a concordância com o envolvimento das pessoas que vivem com doença, mas também com a necessidade de ultrapassar as barreiras existentes.

Para que, em Portugal, o envolvimento efetivo dos/as cidadãos/ãs na tomada de decisão em saúde seja uma realidade solicitamos que seja promovida uma iniciativa legislativa que institua a “Carta para a Participação Pública em Saúde” (disponível em http://bit.ly/2d6tUBg ), da qual são signatárias 68 organizações de pessoas com e sem doença e 28 cidadãos/ãs com intervenção reconhecida na área da saúde e da participação pública.

A Liga Portuguesa Contra as Doenças Reumáticas é uma das associações signatárias da Carta para a Participação Pública em Saúde.

Participe também!
Assine a petição em http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=maisparticipacao

Alerta

A Liga Portuguesa Contra as Doenças Reumáticas (LPCDR) alerta que não está a promover ou a colaborar com qualquer campanha de rastreio de Doenças Reumáticas, ou qualquer iniciativa que vise a venda de material médico, produtos farmacêuticos ou a prestação de qualquer tipo de serviço médico.

Continue a leitura